Roger Moreira é condenado a pagar R$ 100 mil à artista plástica Adriana Varejão após ataques na web

0
(0)


O cantor Roger Moreira, vocalista da banda Ultraje a Rigor, foi condenado a pagar R$ 100 mil à artista plástica Adriana Varejão por ofendê-la com ataques misóginos na internet em 2017.

Em uma rede social, Roger fez uma montagem em que adulterava a foto da artista ao desenhar uma cruz sobre cada olho e um pênis perto de sua boca. Perto dos seios, ele escreveu “puta”.

O ataque foi motivado por um trabalho de Varejão que seria apresentado na exposição Queermuseu, em Porto Alegre, em 2017. A exposição foi alvo de ataque de bolsonaristas (relembre o caso ao fim da reportagem).

Em primeira instância, Roger foi condenado a pagar R$ 40 mil e os dois recorreram. Após a decisão, ele voltou às redes sociais para atacá-la. “Bom, é assim que funciona. Puta nunca é grátis”, escreveu.

O acórdão da 12ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça foi publicado na quinta (10), ampliando a multa para R$ 100 mil e não reconhecendo o recurso do réu. Cabe recurso, mas apenas em instâncias superiores.

“Utilizar-se de retrato de pessoa com a inserção de símbolos associados à morte e à depravação, como fez o réu, extrapola as fronteiras da liberdade protegida pela Carta Maior, eis que realizada com a pretensão exclusiva de desabonar a honra, a imagem e a dignidade da autora, renomada artista plástica”, escreveu a desembargadora relatora Geórgia de Carvalho Lima.

Ele foi condenado por dano moral e obrigado a fazer retratação pública em rede social. Caso não se retrate, terá que pagar ainda multa diária de R$ 200.

O ataque de Roger incitou inúmeros ataques virtuais a Adriana, com xingamentos como “pedófila”, “doente”, “lixo” e “vagabunda”.

À Justiça, Roger argumentou que reprovava a classificação etária do evento e que sua publicação na rede social se assemelhava a uma charge.

A relatora escreve que todos podem fazer críticas às obras, mas ressaltou a importância do “compromisso ético” para não disseminar o ódio e a intolerância.

Queermuseu

A exposição Queermuseu reuniria 260 obras de arte, de 85 artistas no Santander Cultural, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.

Entre os artistas, Lygya Clark e Cândido Portinari. Havia também a pintura “Cena de Interior II”, de 1994. A obra de Varejão é uma coletânia de atos sexuais.

Atacada nas redes sociais, a exposição foi cancelada um mês antes do previsto.

Veja mais em https://t.co/3eRtqBULH4?amp=1



Jusbrasil

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

Estrikinia
Logo
Redefinir Senha